As redes sociais são a sociedade

Assistir a ótima palestra do Augusto de Franco no America Latina Global Fórum faz repensar alguns conceitos.

Augusto explica que as redes sociais não são as mídias sociais, mas sim a sociedade (capital social). O que é novidade são as redes online que facilitam a interatividade. Segundo ele, devemos atentar para três grandes confusões:

1) Descentralização vs. distribuição – Nossas instituições são 90% organizadas de forma descentralizada. Se perder um dos múltiplos centros não consegue se readaptar rapidamente. Atualmente, com os fluxos dos novos mundos altamente conectados, estão emergindo redes distribuídas. Mas nossas instituições ainda são redes hierárquicas, top-down, baseadas na disciplina. Como a sociedade está cada vez mais em rede, mais interativa, mais conectada, as organizações não vão suportar os fluxos e terão que se readaptar. Diagramas de Paul Baran (1964):

2) Participação vs. interação – Estamos viciados na idéia de que tudo tem que ser participativo. As redes sociais são ambientes de interação e não de participação, pois as pessoas entregues a si mesmas encontram soluções. Quatro fenômenos sustentam esta idéia: a) clustering – tudo que interage clusteriza, independente do conteúdo, em função dos graus de distribuição e conectividade; b) swarming – movimentos coletivos que evoluem sincronizadamente, por exemplo: nuvem de insetos, e manifestantes da Praça Tahrir no Cairo; c) cloning – a vida imita a vida, a convivência imita a convivência, a pessoa imita o social; e d) crunching – contração (os 6 graus de conectividade estão diminuindo), no mundo menor sabemos mais coisas e assim, o social reinventa o poder, no lugar de poder mandar nos outros surge o poder de encorajá-los (empowerment).

3) Site da rede vs. rede – A rede pode usar outras mídias (telefone, carta, presencial). O que caracteriza a rede é o padrão de organização, não a mídia. Porém, tendo uma plataforma interativa é mais fácil. Uma rede não é uma ferramenta, mas sim pessoas conectadas horizontalmente, interagindo por iniciativa própria. Se não houver rede social a plataforma interativa tende a ficar inativa.

Os vídeo do Global Fórum estarão disponíveis online a partir de amanhã. Abaixo, apresentação do Augusto de Franco no TED São Paulo:

por geisabugs

One thought on “As redes sociais são a sociedade”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *